Início » Com inflação a 2.6%, os Estados Unidos finalmente cortarão as taxas de juros? – Money Times

Com inflação a 2.6%, os Estados Unidos finalmente cortarão as taxas de juros? – Money Times

por João P. Silva
pce pode ser sinal positivo para o Fed

Federalista Reserve pode esperar mais até que cortes nas taxas de juros sejam feitos (Imagem: Reuters/Joshua Roberts)

O Índice de Despesas de Consumo Pessoal (PCE, na {sigla} em inglês), oferecido de inflação preposto do Federalista Reserve (Fed) para investigar os cortes de juros, não foi transformado, continuando com a taxa anual de 2.6% vista em novembro. O PCE aumentou 0.2% em dezembro, na confrontação mensal.

Durante sua maior taxa, em julho de 2022, o PCE dos Estados Unidos (EUA) estava em 6.8%.

  • Mais uma bolada bilionária da Vivo (VIVT3): Entenda porquê redução de capital de R$ 1,5 bilhão pode ir parar no bolso dos acionistas da empresa, e se vale a pena ter as ações para receber uma fatia; É só observar ao Giro do Mercado aquém: 

A renda pessoal aumentou US$ 60 bilhões (aumento de 0.3%), enquanto a renda pessoal disponível aumentou US$ 51.8 bilhões (0.3%) e as despesas de consumo pessoal aumentaram US$ 133.9 bilhões (0.7%).

O núcleo do PCE, que exclui comida e virilidade, aumentou 0.2%, seguindo as projeções realizadas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O que o resultado do PCE significa para o Fed?

Esse pode ser um bom sinal para aqueles que aguardam os cortes de juros. O Fed espera que as taxas de inflação caiam para 2%, até que possam realizar o que pessoas do mundo todo aguardam.

De consonância com o CME FedWatch Tool, que fornece dados para investigar quando os cortes de juros serão realizados, a verosimilhança dos cortes acontecerem em junho são de 100%. Para a próxima reunião, que acontecerá no final de janeiro, as expectativas de cortes são muito baixas, unicamente 2,6%.

Para a Genial Investimentos, os dados de uma economia mais fortes combinados com uma inflação mais fraca dão mais combustível à tese de “pouso suave” da economia dos EUA.

Mas “também deixa sinais mistos para o Fed num cenário no qual as apostas do mercado para o primeiro incisão de juros por segmento da domínio monetária ainda continuam divididas entre as reuniões de março e maio”

Costa também acredita nos cortes para a segundo semestre de 2024, mas cita Jerome Powell, presidente do Fed. Para ela, os dados podem ajudar a amenizar o oração de Powell na próxima semana, depois a decisão do colegiado sobre os Fed funds.

O dólar hoje registrava perda de 0.06%, a R$ 4.91.



Fonte

Related Posts

Deixe um comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Saiba Mais

Política de Privacidade e Cookies