Início » Escassez de mão de obra no setor de Transporte: Por que há muitas vagas de ocupação abertas e poucos profissionais dispostos a trabalhar?

Escassez de mão de obra no setor de Transporte: Por que há muitas vagas de ocupação abertas e poucos profissionais dispostos a trabalhar?

por Marcos Monteiro
A escassez de mão de obra qualificada no setor de transporte é um desafio, com dezenas de vagas de emprego para mecânico, eletricista e outros.

Publicado em
08/07/2024 às 18:25

No setor do transporte urbano, a procura por profissionais qualificados é uma jacente repto para empresas em todo o Brasil. Mormente na Grande Vitória, essa escassez de mão de obra se torna ainda mais evidente, onde a demanda por técnicos de manutenção supera em muito o número de vagas de emprego disponíveis. Oriente cláusula explora as dificuldades enfrentadas pelas operadoras e as oportunidades significativas que estão à disposição para quem procura uma curso neste setor crucial.

Impacto da escassez de mão de obra no setor de transportes

Empresas uma vez que a Unimar Transportes e outras operadoras do Transcol atualmente enfrentam um déficit de 112 vagas de ocupação em diversas funções, com um destaque privativo para mecânicos e eletricistas.

Segundo Elizeu da Conceição, gerente de tráfico da Unimar, encontrar profissionais preparados é uma vez que procurar “com uma lamparina”, uma metáfora que reflete a dificuldade crescente neste setor.

— ARTIGO CONTINUA ABAIXO —

Uma pesquisa recente da Confederação Nacional do Transporte (CNT) revelou que 53,4% das empresas de transporte apontam escassez de motoristas, enquanto 63,2% enfrentam dificuldades para contratar mecânicos e outros especialistas em manutenção.

Na Grande Vitória, essa carência é ainda mais pronunciada, onde empresas uma vez que o Grupo Santa Zita e a Viação Grande Vitória lutam para preencher vagas de ocupação essenciais.

Larissa Emerick, gerente de Recursos Humanos do Grupo Santa Zita, destaca que as funções na extensão de manutenção são particularmente desafiadoras devido às exigências de trabalho por graduação, o que muitos profissionais preferem evitar ao optar por trabalhar de forma autônoma.

Qual o perfil do profissional desejado pelas empresas para preencher as vagas de ocupação abertas?

Shirley Lovat, gerente de RH da Viação Grande Vitória, complementa que a falta de interesse em cargos de manutenção também se deve ao empreendedorismo individual dos técnicos qualificados, que frequentemente encontram melhores condições fora das empresas de transporte coletivo urbano.

Além das habilidades técnicas, as operadoras do Transcol valorizam características pessoais uma vez que comprometimento, flexibilidade e trabalho em equipe.

Para Hudson Coelho Fontes, encarregado operacional da Vereda e Praia Sol, encontrar profissionais que preencham esses critérios é principal para prometer a qualidade e segurança dos serviços oferecidos.

As exigências para as vagas de ocupação variam, mas, em universal, incluem experiência mínima na função, carteira de habilitação nas categorias D ou E, e cursos específicos uma vez que o de transporte de passageiros, conforme estipulado pelo Código de Trânsito Brasílio.

Diante da escassez de mão de obra qualificada, algumas empresas adotam estratégias uma vez que investimento em treinamentos internos e parcerias com instituições uma vez que o Sest Senat e Centros de Formação de Motoristas, visando qualificar seus próprios colaboradores e atrair novos talentos para o setor.

Manadeira: GV Bus.





Fonte

Related Posts

Deixe um comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Saiba Mais

Política de Privacidade e Cookies