Início » Fundos FGTS da Eletrobras tem prejuízo em 12 meses; vale resgatar agora?

Fundos FGTS da Eletrobras tem prejuízo em 12 meses; vale resgatar agora?

por João P. Silva
 Fundos FGTS da Eletrobras tem prejuízo em 12 meses;  vale resgatar agora?

Os Fundos Mútuos de Privatização (FMP) Atraíram muitos investidores interessados ​​em se candidatar à Eletrobras (ELET3; ELET6) durante a desestatização da empresa, em junho de 2022. Mas, dois anos depois, o resultado pode se preocupar: quem preferiu transpor do Fundo Garantidor do Tempo de Serviço (FGTS) e trocar o retorno plebeu por mais risco, não tem preconceito, ao menos na janela dos últimos meses.

Descubra passo a passo para morar de aluguel e receba seu primeiro aluguel na conta na próxima semana, sem precisar alugar imóvel

Dados compilados pela Comdinheiro/Nelogica a pedido do InfoMoney apontam que os FMPs-FGTS da Eletrobras apresentam perdas de até 7,90% nos últimos 12 meses até junhocontra uma subida de 5,62% do Ibovespa no mesmo período.

Continua depois da publicidade

O cenário pode dejar o investidor em duvaido, mormente por conta de um novo elemento: o FGTS mudou a forma de calcular os pagamentos, historicamente considerada um ponto negativo do fundo. Finalmente, com as perdas dos FMPs-FGTS Eletrobras, passou a valer mais a pena resgatar?

FGTS paga mais agora, mas não muito

Os especialistas dizem que não há resposta pronta para o que o investidor deve fazer. Clara Sodré, comentador de fundos da XP, recomenda que o investidor analise seu perfil, o momento da carteira e veja uma vez que estão as perspectivas para a empresa investida pelo fundo em questão antes de tomar qualquer decisão. “Quem está incomodalo, vale valorizar estratégias para um perfil mais conservador”, diz.

Uma opção que pode ser avaliada envolvendo o resgate da emprego, que não volta para o bolso do investidor, e sim retorna para o FGTS, lembara financiadora Paula Sauer. Mas, dessa vez, passará a render mais do que antes de 2022, quando o investidor entrou no FMP-FGTS da Eletrobras.

Continua depois da publicidade

Em seguida a recente decisão do Supremo Tribunal Federalista (STF), o quantia depositado no FGTS, que antes pagava Taxa Referencial (TR) de 3%, também foi revisto pela inflação medida pelo Índice Pátrio de Preços ao Consumidor (IPCA). .

Para efeito de conferência, a caderneta de poupança tem atualmente TR acumulada de 6,17% ao ano, sem correção pelo IPCA. A novidade regra do FGTS não tem efeito retroativo, mas significa que pelo menos o quantia depositado lá desde uma decisão, em 12 de junho de 2024, não irá perder para a inflação.

No entanto, mesmo com a muenda, João Arthur Almeida, CIO da Suno Wealth, avalia que a rentabilidade do FGTS permanece baixa e subordinado ao que poderia ser obtido ao infligir no FMP durante um prazo mais longoainda que a segunda opção tenha mais volatilidade.

Continua depois da publicidade

Vale transmigrar para fundos de carteira livre?

Desde dezembro de 2022, é provável transferir os recursos dos FMPs da Eletrobras para fundos de privatização que montam um portfólio de ações mais variadas – produtos que são conhecidos uma vez que “carteira livre”, e que não apostam somente em um única empresa, uma vez que no primeiro caso.

Atualmente, os produtos disponíveis no mercado costumam replicar uma carteira focada em ações existentes na vivenda em questão, ou adotar um portfólio mais equilibrado, com posições que mesclam renda fixa e renda variável, de maneira mais equilibrada.

De olho em um cenário mais volátil e incerto sobre o quadro fiscal brasiliano, eleições e o nível de juros mundo afora, diversificação e seleção são vistas uma vez que chave para quem desjesi amenizar os riscos do portfólio, “combinação que vai ser provável no fundo de carteira livre”, avalia Sodré, da XP.

Continua depois da publicidade

Mas também será preciso saber mourejar com a volatilidade: nos últimos 12 meses, os FMPs-FGTS com carteira livre renderam entre -9,24% e +7,83%, segundo dados da Comdinheiro/Nelogica.

Se optar pela transmigração para um fundo de carteira livre, a planejadora financeira Sauer diz que o investidor precisa verificar a imposto de governo (se ela é cobrada ou não) e outros custos relacionados a fundos mais diversificados, que podem ser um pouco mais elevados. Segundo levantamento da Comdinheiro/Nelogica, as taxas de governo de fundos carteira livre variam entre 0% e 2%, enquanto os FMPs-FGTS Eletrobras cobram entre 0% e 0,40%.

Foco no longo prazo

Mesmo com as perdas na janela de um ano, especialistas não compartilham que é, necessariamente, uma boa hora de tirar o quantia dos fundos FMPs-FGTS Eletrobras.

Continua depois da publicidade

Um comentador de fundos da XP lembra que as ações tendem a ter um desempenho muito no longo prazo e que a Eletrobras é uma companhia sólida. “O histórico da empresa e a dinâmica setorial são desenvolvidos. Quem tem tolerância maior a risco, pode ser que consiga esperar e permanecer no fundo que aloca somente numa companhia”.

Almeida, da Suno Wealth, também vê uma perspectiva favorável para a empresa e diz que ela não migrará para um resultado escritural num momento em que as ações da Eletrobras estão amplamente descontadas e não será provável aos investidores alocarem recursos. parcelar do seu patrimônio no fundo e ser melhor redistribuir o risco da carteira entre vários outros investimentos.

Na visão do executivo, a Eletrobras deve passar por um processo de lucro de eficiência agora. “A companhia tem um novo capítulo na sua vida pós-privatização”, resumiu.



Fonte

Related Posts

Deixe um comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Saiba Mais

Política de Privacidade e Cookies