Início » IPCA-15 desacelera para 0,39% em junho, inferior do esperado, diz IBGE

IPCA-15 desacelera para 0,39% em junho, inferior do esperado, diz IBGE

por Abel Ferreira
IPCA-15 desacelera para 0,39% em junho, abaixo do esperado, diz IBGE

O IPCA-15, prévia da inflação solene do país, desacelerou em junho, com subida de 0,39%, posteriormente os 0,44% de maio, informou nesta quarta-feira (26) o Instituto Brasílio de Geografia e Estatística (IBGE). Em maio de 2023, o IPCA-15 tinha sido de 0,04%.

Em 12 meses, a variação do IPCA-15 em maio foi 4,06%, supra dos 3,70% observados nos 12 meses imediatamente anteriores.

Os dados vieram inferior do consenso LSEG de analistas, que previa inflação mensal de 0,45% e taxa anualizada de 4,12%.

Continua depois da publicidade

O IPCA-E, aglomerado trimestral do IPCA-15, ficou em 1,04%, menor que a taxa de 1,12% registrada no mesmo período do ano pretérito.

No mês, dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, sete tiveram subida em junho. Unicamente o grupo dos Transportes (-0,23%) e o de Artigos de residência (-0,01%) apresentaram variação negativa.

As maiores influências de para a inflação no mês vieram dos grupos Alimento e Bebidas (0,98%), Habitação (0,63%) e Saúde e cuidados pessoais (0,57%).

Continua depois da publicidade

Mantimentos e bebidas

No grupo Alimento e bebidas, a alimento no habitação acelerou de 0,22% em maio para 1,13% em junho.

Contribuíram para esse resultado as altas da batata inglesa (24,18%), do leite longa vida (8,84%), do arroz (4,20%) e do tomate (6,32%). No lado das quedas, destacaram-se o feijoeiro carioca (-4,69%), a cebola (-2,52%) e as frutas (-2,28%).

A alimento fora do habitação (0,59%) também acelerou em relação ao mês de maio (0,37%), em virtude das altas de lanche (de 0,47% em maio para 0,80% em junho) e da repasto (0,34% em maio para 0,51% em junho).

Continua depois da publicidade

Habitação

Em Habitação, a subida da taxa de chuva e esgoto (2,29%) foi influenciada pelos reajustes de 6,94% em São Paulo (5,48%), a partir de 10 de maio, de 9,85% em Brasília (4,60%), a partir de 1º de junho, e de 2,95% em Curitiba (2,86%), a partir de 17 de maio.

A pujança elétrica residencial subiu 0,79% no mês, influenciada por reajustes tarifários em Salvador, Recife, Fortaleza e Belo Horizonte.

Ainda em Habitação, no subitem gás encanado (-0,10%), o resultado do Rio de Janeiro (-0,33%) decorre de redução média de 1,75%, a partir de 1º de junho, posteriormente o reajuste de 0,97% aplicado a partir de 1º de maio.

Continua depois da publicidade

Saúde e cuidados pessoais

O resultado do grupo Saúde e cuidados pessoais foi influenciado pela subida nos preços dos planos de saúde (0,37%), decorrente do reajuste de até 6,91% autorizado pela Filial Vernáculo de Saúde Suplementar (ANS) em 4 de junho, com vigência a partir de maio de 2024 e dos quais ciclo se encerra em abril de 2025.

Transportes

No grupo Transportes, houve queda na passagem aérea (-9,87%). Em relação aos combustíveis (-0,22%), todos registraram queda nos preços: etanol (-0,80%), gás veicular (-0,46%), óleo diesel (-0,42%) e gasolina (-0,13%).

O subitem táxi apresentou subida de 0,18%, devido ao reajuste de 17,64% em Recife (3,09%), a partir de 22 de abril.



Fonte

Related Posts

Deixe um comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Saiba Mais

Política de Privacidade e Cookies