Início » IPCA-15 ‘não empolga nem preocupa’; o que esperar da inflação enxurro de junho? – Tempos de moeda

IPCA-15 ‘não empolga nem preocupa’; o que esperar da inflação enxurro de junho? – Tempos de moeda

por João P. Silva
ipca-15 inflação

IPCA-15 de junho ‘não empolga nem preoccupa’, diz economista (Imagem: Getty Images)

Ó Índice Pátrio de Preços ao Consumidor Grande 15 (IPCA-15) de junho, que subiu menos do que o esperado, foi ajudado por itens voláteis. A passagem aérea e a gasolina, por exemplo, foram as surpresas baixistas do mês.

Antemão da inflação subiu 0,39% em junho, diante de 0,44% em maio. Apesar do refrigério mensal, os táxons nos 12 meses até junho passaram a continuar 4,06%, de 3,70%, e voltam a superar a marca de 4% depois de dois meses.

“Em suma, o resultado (do IPCA-15) não empolga nem preocupa. O processo desinflacionário indica um encontro com resistências no momento, mas há sinais alarmantes de que o processo não será de limitado prazo”, disse André Valério, economista-sênior do Internacional.

Do lado altista, uma maior variação e um maior impacto vieram do grupo de sustento e bebidas. Na sustento no morada, a batata inglesa (24,18%), o leite longa vida (8,84%), o arroz (4,20%) e o tomate (6,32%) corroboraram com a subida.

Andréa Angelo, estrategista de inflação da Warren Investimentos, diz também que os bens duradouros, uma vez que carro novo, e itens de higiene pessoal seguiram mostrando hidratação mais firme. O movimento é revérbero do termo do resfriamento da inflação externa no atacado e da mudança.

Para o índice fechado de junho, que será divulgado no dia 10 de julho, a Warren projeta uma subida de 0,28%. Antes do IPCA-15, a expectativa era de 0,33%, mas houve revisão posteriormente ser surpreendida com o aluguel de passagens aéreas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Núcleos de inflação mais altos

Sobre os núcleos de inflação, os bens consolidados e não reforçados submetidos à pressão foram oriente mês.

Já os serviços subjacentes tudem leitura um pouco pior e os intensivos em mão de obra aumentaram para 0,46% no mês.

“Entendemos que esse número reforça nossa visão dos serviços subjacentes que se encontram nesta janela temporária (em torno de 5% e 5,4%), mas estamos vendo sinais de reaceleração no segundo semestre deste ano por razão do intenso grupo mão de obra”, avalia o estrategista de Warren.

“Os itens deste grupo são mais sensíveis à renda, ocupação e mais inerciais”, explica.

*Informações de notícia da Reuters



Fonte

Related Posts

Deixe um comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Saiba Mais

Política de Privacidade e Cookies